Tamburi Mundi – workshop e curso 2020

Day 1

Summary

  1. Traditional frame drum playing from portuguese women 
  2. Traditional rhythm – 3 beat cycle
  3. How to use a traditional song to develop singing, technique and musicality

Step by step:

  1. learn the traditional melody singing along with the ladies, using any syllable, like “la la la”.
  2. Sing with a drone (like a tambura sound) to help you stay in tune.
  3. Play with the traditional 3beat cycle and the two variations with ornamentation
  4. Learn the 9 stroke roll fingering, starting in Dum and (you can use it in round frame drums in standing position).
  5. Play the 9 stroke roll fingering over a 3 beat cycle, like in the table above. Try to beat the pulse with your foot.
  6. Sing the traditional song over the 3 beat cycle on the foot, the 9 stroke roll fingering on the frame drum and don´t forget to breath. 🙂

Day 2

Summary

  1. Traditional 2 beat cycle and variations
  2. “Taimpum” traditional song with konnakol
  3. Adufe trio in 11
  4. 11 beat bridge subdivisions

11 por 8 (2+2+3+2+2) + ponte 4 3 2 1

Este exercício é a continuação do estudo do 11 por 8 búlgaro, com subdivisão 2 + 2 + 3 + 2 + 2. (No vídeo anterior têm mais informações sobre o que são compassos e subdivisões.)

Como tocar:

1 – Repetir o padrão base três vezes. Como podem ver no vídeo o padrão é tocado com a direita (dum e ) e ornamentado com a esquerda (ki).

2 – Tocar a ponte, a que chamo 4 3 2 1. Porque construo uma frase de dois compassos em semínimas. (não se preocupem se não sabem música ou se não entendem, com o vídeo conseguem perceber facilmente).

Primeiro, 4 semínimas, depois 3, 2, 1 e pausa, onde digo “i”.

TÁ KÁ DI MI

Exercício para adufe, de nível básico, criado para praticar as sílabas Tá Ká Di Mi, usadas na linguagem rítmica indiana e que aqui servem para dizer e compreender o ritmo.

No vídeo estou a tocar o som “Dum” no adufe, ou seja, o som grave. Pode ser feito com “Tá”, tocado com a mão direita em cima da madeira.

Como tocar:

Dizer uma sílaba a cada batida no adufe. (repetir 4 vezes e terminar na sílaba DUM)

Dizer uma sílaba a cada 2 batidas no adufe (repetir 4 vezes e terminar na sílaba DUM)

Dizer uma sílaba a cada 3 batidas no adufe (repetir 4 vezes e terminar na sílaba DUM)

Dizer uma sílaba a cada 4 batidas no adufe (repetir 4 vezes e terminar na sílaba DUM)

Tocar tudo seguido (sem repetir 4 vezes cada):

De trás para a frente:

11 por 8 (2+2+3+2+2): introdução

Na música podem existir compassos binários, ternários e quaternários. A subdivisão dos tempos pode ser binária, ternária ou uma combinação das duas.

O que é a subdivisão do tempo? É o número de partes no qual um tempo de se divide.

Assim podemos ter um compasso binário (com dois tempos) com subdivisão binária (cada tempo de subdivide em duas partes) ou ternária (cada tempo de subdivide em três partes).

Quando a subdivisão é binária ou ternária, os tempos têm todos a mesma duração respectivamente, e a pulsação é igual e constante.

Quando a subdivisão é uma combinação de tempos de subdivisão binária e ternária, temos uma sensação de pulsação irregular, já que temos tempos de duas partes e três partes misturados.

Complicado? Um pouco.

“11 por 8” é o nome do compasso. Como se vê indica que tem 11 partes. É um ciclo de 11 partes. O 8 refere-se à colcheia, o que para já não importa. 🙂

A particularidade deste ritmo, o interesse e a dificuldade em tocá-lo é que o tempo irregular está no meio do compasso:

2 + 2 + 3 + 2 + 2

O 2 indica a subdivisão binária e o 3 a ternária.

É fácil perdermo-nos e não sabermos onde está o primeiro tempo. Neste exercício, construí um padrão com dois compassos, para melhor compreensão e interesse musical. No primeiro compasso começamos no Dum e no segundo no Tá.

Como praticar:

1 – Dizer e tocar o primeiro compasso

2- Dizer e tocar o segundo compasso

3 – Tocar o primeiro compasso. Pausa. Tocar o segundo compasso. (Ao fazer uma suspensão entre eles, temos tempo para perceber como é a dinâmica entre eles e a continuidade)

4 – Tocar/dizer o ciclo dos dois compassos completos.

Se tiverem dúvidas ou sugestões, por favor, entrem em contacto.

Pa – Pa – Dum – – Pa – Pa Dum –

Exercício de nível básico/médio com o som “Pa”.

O som “Pa” não é tocado na Tradição portuguesa de adufe, trata-se aqui de uma adaptação de uma técnica de outros frame drums – bendir, por exemplo.

Como podem observar, a mão direita está livre. O polegar não está colocado no adufe como tradicionalmente.

O adufe está na horizontal, apoiado na palma da mão esquerda, e não com um canto para cima.

Como praticar?

1 – A “melodia rítmica” tocada pela mão direita.

2 – O mesmo padrão preenchido com ki, tocado com a mão esquerda.

O mesmo padrão mas com o som Tá: dedos e depois mão

Como praticar?

1 – “melodia” rítmica tocada com os dedos R4 (Tá) e o R3 (Dum)

2 – preenchida com ki, na mão esquerda

3 – “melodia” rítmica tocada com a mão completa

4 – preenchida com ki, na mão esquerda


Aprendi o padrão rítmico que estou a tocar com o músico argelino Salim Beltitane durante o Tamburi Mundi 2019.

Adufe: modelo Universal, 33cm X 6cm, pele de cabra pintada de azul com desenho de motivo ibérico presente no Haggadah d´Oro (Catalunha, séc, XIV). Com sistema de afinação, dois lados sonoros distintos e espessura variável.

Para comprar o adufe que estou a usar, enviar email ou whatsapp!